Erros de medicação

Este artigo tem como única finalidade informar o leitor sobre os cuidados que devem ser tomados quando o assunto é a medicação dos idosos. Veremos também quais podem ser as consequências se houver erro ou negligência na dosagem, frequência ou medicação, entre outros.

Os erros de medicação são um problema que devem ser encarados com muita seriedade por parte de todos que são responsáveis pelo acompanhamento ou tratamento de um idoso. Deve ser também levado em consideração que a idade por si só já o coloca em posição de receber toda a atenção disponível considerando-se as limitações físicas e psicológicas típicas de grande parte da população idosa.

Caso o idoso seja apto a administrar sua medicação, deve-se, mesmo assim, certificar-se que os medicamentos estejam devidamente organizados, nas suas respectivas embalagens e que haja registro visível, de fácil compreensão e alcance. Convém, fortemente, conversar e ter certeza que o idoso está em perfeitas condições de cuidar da sua própria medicação. Mesmo que ele seja plenamente capaz de ter autonomia sobre sua vida. Deve-se acompanhar e monitorar a medicação para evitar problemas gravíssimos como veremos adiante.

Se você é um parente, cuidador ou responsável por um idoso, saiba que mesmo tomando os devidos cuidados, ainda assim, não será cem por cento garantido que erros não venham a acontecer. Contudo, deve saber também, que o assunto é importantíssimo e na medida do possível dedicar toda a atenção e cuidados que possam impedir que erros facilmente evitáveis não venham a acontecer.

Consequências dos erros de medicação

Os erros na medicação, tem um alto potencial de provocar efeitos adversos indesejáveis. Levemos em consideração que os medicamentos por si só, além do benefício que trazem, tem agregados a si, um sem número de efeitos colaterais que podem ser potencializados pela sub ou sobre medicação cujos efeitos adversos que podem levar a sérios problemas de saúde, muitas vezes duradouros e irreversíveis. Como principais e graves consequências podem-se citar: desnutrição, desidratação, delírio, incontinência, mudanças de comportamento, tonturas que podem provocar quedas e fraturas.

Esses problemas de saúde adicionais não só podem agravar o estado geral do idoso, como também além de causar sofrimento desnecessário, aumentar os custos e duração do tratamento. Os danos podem ser permanentes em seus órgãos, exigindo tratamento caro e novos medicamentos. Portanto, deve ser do interesse de todos ter em mente que a prevenção vai certamente reduzir sensivelmente a incidência e a gravidade dos erros de medicação.

Quais são as causas dos erros de medicação e efeitos colaterais?

Longe da intenção de gerar polêmica, é importante saber que erros de medicação, geralmente ocorrem em três diferentes momentos: prescrição, monitoramento e administração.

Erros nas prescrições

É certo que os médicos fazem todo o possível para prescreverem medicamentos adequados aos seus pacientes, entretanto eles também são passiveis de erros. Os mesmos podem prescrever a dosagem errada, cometer erro de diagnóstico e prescrever o remédio errado. Podem também, falhar ao explicar para o paciente os detalhes relacionados a dosagem e frequência.

Os pacientes idosos normalmente tomam diferentes tipos de medicamentos simultaneamente, sendo muito difícil prescrever e considerar apropriadamente todas as interações medicamentosas

Erros durante o monitoramento

Como membro da família, cuidador ou responsável ou paciente saiba que é sua a maior responsabilidade em minimizar os efeitos adversos dos medicamentos durante o tratamento. Nenhum médico é capaz de prever acertadamente cem por cento do tempo como sua prescrição irá inter-relacionar-se com as prescrições e com a dieta do paciente. É importantíssimo que os cuidadores estejam atentos a sinais de efeitos adversos aos medicamentos, levando ao conhecimento do responsável pelo tratamento ou médico que prescreveu a medicação possíveis problemas acarretados pelo uso da medicação. A falta de resposta ou a resposta tardia, pode ser também a causa de problemas na ingestão de medicamentos.

Erros de medicação durante a administração

  • Trituração e corte inadequados de medicamentos
  • Uso inadequado de fluidos
  • Ingestão inadequada de alimentos e antiácidos com medicamentos
  • Administração incorreta
  • Sob dosagem ou superdosagem de medicamentos
  • Medicação vencida ou incorreta
  • Diagnóstico incorreto e prescrição incorreta
  • Duração ou frequência incorreta do medicamento
  • Desprezar sinais de alergia medicamentosa. Negligenciar os primeiros sinais e sintomas que o idoso apresenta, por mais simples que seja, pode levar a morte.
  • O armazenamento incorreto dos medicamentos pode anular seu efeito terapêutico!

Portanto, não erre! É importantíssimo o armazenamento correto, descrito na bula

ou de acordo com as orientações do médico!

Negligência e erros de medicação

Após algum erro ser identificado, o paciente idoso, responsável familiar ou seu cuidador devem imediatamente entrar em contato com o médico e parar de administrar o medicamento até que receba novas orientações.

É certo que alguns efeitos adversos aos medicamentos não são evitáveis, mas sabe-se também que maioria deles podem vir a serem causados por erros que poderiam ter sido facilmente evitáveis.

Se você não está seguindo rigorosamente as orientações médicas fornecidas para a administração dos medicamentos ou não está monitorando de maneira eficaz, isso pode trazer sérias consequências para si e para o paciente idoso. Nesta hipótese você deve imediatamente repensar sua conduta sob pena de sofrer as consequências sociais e legais.

Ingerir ou fornecer medicação é um assunto que deve ser levado muito a sério por todos. Médicos, paciente e responsáveis, cada um na sua medida, devem fazer o melhor que podem pois cabe a cada um, a responsabilidade de garantir ao idoso o melhor, em tosos os sentidos.

Importantíssimo ter-se consciência que o medicamento também é uma droga, e como tal, vicia e pode matar.

Então, gostou deste artigo? Leia também https://www.preveniremcasa.com.br/qual-o-papel-do-responsavel-na-seguranca-e-protecao-do-idoso/

Compartilhe é muito importante para todos.